Nutrir com Amor = Equilíbrio Alimentar

Salads-4.jpg

No pós-parto, sinto que há uma pressão para recuperar rapidamente a nossa forma. É como se sentisse que já não há desculpa para não caber naqueles jeans que vestia há 9 meses atrás. Antes de engravidar, também pensava desta forma. No entanto, como referi no post anterior, depois de ser mãe, passei a olhar para mim de forma diferente. Passei a viver grata pelo meu corpo ter sido capaz de gerar uma vida perfeita. Sinto que, mais do que nunca, devo estar conectada com o meu corpo e dar-lhe tudo o que necessita para se reequilibrar. Depois de 9 meses, o nosso corpo demora o seu tempo a equilibrar todos os seus níveis e a repor a sua harmonia. Tenho de saber escutá-lo, respeitá-lo, amá-lo e dar-lhe os ingredientes necessários.

Muitos acabam por classificar os alimentos como “Engorda Muito”, “Baixas Kcal”, “Light”. Penso que esta escala de classificação é muito reduzida…vive-se obcecado com estes rótulos e a maioria não faz abordagens como: “Saudável”, “Rico em Vitamina A”, "Rico em Ferro”…muitas vezes nem sabemos ao certo as propriedades dos alimentos. Claro que uma banana tem mais calorias que um morango, mas não é por isso que a banana deixa de ser saudável. A verdade é que os alimentos são muito mais do que um conjunto de kcal!

Obviamente que se queremos dar o melhor ao nosso corpo, devemos retirar da nossa alimentação os alimentos processados e o açúcar. Podemos ainda reduzir os laticínios e o glúten. Mas cada pessoa saberá melhor aquilo que funciona para si e poderá retirar ou reduzir de acordo com o seu equilíbrio interno.
Pela primeira vez na vida, fiz um diário alimentar vs emocional/bem-estar físico. Ou seja, já tinha feito alguns diários alimentares, mas que tinham sempre em vista o somatório das calorias. Desta vez foi diferente! Apontei tudo o que comia e como me sentia emocionalmente e fisicamente a seguir às refeições. Aos poucos comecei a alinhar a minha alimentação por aquilo que me faz feliz e, quando amamos verdadeiramente o nosso corpo, isso só poderão ser alimentos saudáveis.

Aquilo que damos ao nosso corpo deverá ser por amor e não por medo. Devemos escolher nutrir o nosso corpo com amor e não restringir a nossa dieta com medo de engordar. A perda de peso vem naturalmente com esta abordagem. Sinto cada vez mais que a balança é apenas um número e que somos muito mais do que isso, mas para verem como é verdade, engordei 22kg na gravidez e já perdi 19kg, sem dietas, apenas escolhi nutrir o meu corpo com amor.

 

Mais uma vez, obrigada Inês Nunes Pimentel por me teres ensinado a viver por amor!